quarta-feira, 29 de setembro de 2010

H. Koppdelaney

As radiantes eclipses que as estrelas

Traçam, e ao espectador falsas se antolham

São verdades de luz, que os homens olham

Sem poder, no entanto, compreendê-las.


AUGUSTO DOS ANJOS
"Uma pessoa passa anos formando-se como indivíduo,

desenvolvendo seu talento, seus dons singulares,

aperfeiçoando suas discriminações do mundo, ampliando

e aprimorando seu apetite, aprendendo a suportar os

desapontamentos da vida, amadurecendo, refinando-se

até chagar a ser finalmente uma criatura única na natureza,

com dignidade e nobreza, transcendendo a condição animal:

não mais agindo por impulso, não mais só um reflexo, não

feito em qualquer outro molde. E então a verdadeira tragédia ...

são necessários sessenta anos de esforços e sofrimentos

incríveis para se fazer esse indivíduo,

e então ele só serve para morrer?"



ERNEST BECKER
O prazer do difícil tem secado

A seiva em minhas veias. A alegria

Espontânea se foi. O fogo esfria

No coração. Algo mantém cerceado

Meu potro, como se o divino passo

Já não lembrasse o Olimpo, a asa, o espaço,

Sob o chicote, trêmulo, prostrado,

E carregasse pedras. Diabos levem

As peças de teatro que se escrevem

Com cinqüenta montagens e cenários,

O mundo de patifes e de otários,

E a guerra cotidiana com seu gado,

Afazer de teatro, afã de gente,

Juro que antes que a aurora se apresente

Eu descubro a cancela e abro o cadeado.
WILLIAM YEATS

terça-feira, 28 de setembro de 2010

A experiência interior nunca encontrará uma linguagem apropriada para ela.


Henri Bergson
Arrependei-vos:
é preciso ter novos olhos.
A questão não é somar
As somas só fazem engordar.
É preciso passar
por metamorfoses:
do Conhecimento
para a Sabedoria.
Sabedoria é a arte
dos sabores e dos prazeres.
Uma nova filosofia:
os saberes a serviço
dos sabores,
o poder a serviço do amor.



RUBEM ALVES
Não convém
apressar juízos.
Imita o caminhante cauteloso
que nem sim nem não
responde pressuroso.
Revela-se o mais tolo
entre os tolos aquele
que sem meditação
afirma ou nega.
A pressa é causa
de que muitas vezes
a opinião geral
conclua erradamente,
havendo a paixão
tomado o lugar
do raciocínio.
Com maior dano volta
da procura da verdade,
aquele que não se preparou
para encontrá-la.


DANTE ALIGHIERI

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Todas as religiões, praticamente todas as filosofias,

testemunham o esforço heróico e infatigável

da humanidade para desesperadamente

negar sua contingência.


JACQUES MONOD

Michael Cheval

Minha boca pronunciou e pronunciará, milhares de vezes e nos dois
idiomas que me são íntimos, o pai-nosso, mas só em parte o entendo.
Hoje de manhã, dia primeiro de julho de 1969, quero tentar uma
oração que seja pessoal, não herdada. Sei que se trata de uma tarefa
que exige uma sinceridade mais que humana. É evidente, em primeiro
lugar, que me está vedado pedir. Pedir que não anoiteçam meus
olhos seria loucura; sei de milhares de pessoas que vêem e que não
são particularmente felizes, justas ou sábias. O processo do tempo é
uma trama de efeitos e causas, de sorte que pedir qualquer mercê,
por ínfima que seja, é pedir que se rompa um elo dessa trama de ferro,
é pedir que já se tenha rompido. Ninguém merece tal milagre.
Não posso suplicar que meus erros me sejam perdoados; o perdão é
um ato alheio e só eu posso salvar-me. O perdão purifica o ofendido,
não o ofensor, a quem quase não afeta. A liberdade de meu arbítrio é
talvez ilusória, mas posso dar ou sonhar que dou. Posso dar a coragem,
que não tenho; posso dar a esperança, que não está em mim; posso
ensinar a vontade de aprender o que pouco sei ou entrevejo.
Quero ser lembrado menos como poeta que como amigo; que alguém
repita uma cadência de Dunbar ou de Frost ou do homem que viu à
meia-noite a árvore que sangra, a Cruz, e pense que pela primeira vez
a ouviu de meus lábios. O restante não me importa; espero que o
esquecimento não demore. Desconhecemos os desígnios do universo,
mas sabemos que raciocinar com lucidez e agir com justiça é ajudar
esses desígnios, que não nos serão revelados.

Quero morrer completamente; quero morrer com
este companheiro, meu corpo.


JORGE LUIS BORGES

FAZEDOR DE HOMENS





Todo homem é uma ilha...
É bom ser uma ilha distante
tanto quanto é bom ser um homem.

Todo homem possui uma ponte
pois é preciso sair da ilha, seguro.
A ponte de um homem é um braço estendido.

Todo homem é um mundo.
O mundo roda no sistema egocêntrico
de suas realidades,
pequenos alumbramentos,
medos e coragens.

E quando o homem encara o mundo e se depara
- homem-mundo,
mundo-homem,
volta à ilha:
Todo homem ama sua ilha.

II

O homem faz o homem.
E porque fez o homem, sem nem o homem querer
aufere direitos do homem.
Diz a ele: Cresça!
E ele fica mais alto.

Diz ao homem: Trabalhe!
E ele usa o corpo.
Diz ao homem: Viva!
E ele respira e existe.
Diz ao homem: Ame!
E ele não sabe como.
Mas diz ao homem: Procrie!
E ele faz homens.

Um dia ele morre.
Se a vida foi longa para viver
- é curta para morrer
- porque o homem não fez,
não escolheu,
não pensou nada.

III

O que faz um homem diferente de outro homem
é o que ele pensa.
O que o transforma, também,
de um simples fazedor de homens,
num criador de homens.

Todo homem é uma vontade.
E se deixa de ser vontade
teme a perda de sua posse.
Todo homem é uma consciência.
Nela inclui o seu saber
e a parte maior do não saber,
e se aceita o fato, é com ela que ele se entende.

Todo homem é seu corpo.
E sabe dele em contraste com outro corpo,
tal é a sua medida.
Como também, a medida de um homem é a sua carência:
porque é assim que ele se assume,
porque é assim que ele se liberta.

Quanto mais ele precisa
mais ele é maior. E dá.
Pede. Reivindica. Exige, quanto pode.
Luta e sofre.

Todo homem quer deixar sua ilha.
Temeroso de ter que voltar um dia, entretanto,
não destrói as pontes.
Enquanto isso, a ilha fica ali, só ilha.
A ponte fica ali, só ponte.
E o homem fica ali, só homem.



Carlos Drummond de Andrade

domingo, 26 de setembro de 2010

Fatima Ayache

Não criei personagens. Tudo o que escrevo é autobiográfico.

Porém, não expresso minhas emoções diretamente,

mas por meio de fábulas e símbolos.

Nunca fiz confissões. Mas cada página que escrevi

teve origem em minha emoção.



Jorge Luís Borges

Alexey Andreyev

A mais bela emoção de que somos capazes é a mística. Ela é a força

de toda arte e de toda ciência verdadeira.

Quem não a experimenta está praticamente morto.

Esse sentimento está no centro da verdadeira religiosidade.

Um humano é parte do todo. Ele experimenta a si mesmo,

seus pensamentos e seus sentimentos como algo

separado do resto - uma espécie de ilusão de ótica de

sua consciência.


ALBERT EINSTEIN
E do primeiro declive da carne
Eu aprendi a língua do homem, para mudar as normas de pensamentos
Na linguagem pedregosa do célebro
Obscurecer e tricotar um remendo de palavras novamente
Deixado pela morte que em seus campos escuros,
Necessita do calor tépido de alguma palavra.
As raízes da língua concluem-se em um câncer metastático
Nada mais que nome, onde fantasias têm seu lado exclusivo.

Eu aprendi os verbos do desejo, e tinha meu segredo;
O código noturno tocou em minha língua;
O que tinha sido um, eram muitos sons benéficos.

Um útero, uma mente vomitou o corpo,
O seio sugara para terminar a febre;
Da dissolução do céu, eu aprendi a multiplicar,
As duas carcaças esféricas que giravam numa pontuação;
Milhões de mentes sugara tal alimento
Como aforquilhar meus olhos;
A juventude condensou; as lágrimas da primavera
Dissolvendo no verão e as centenas estações;
Um sol, uma maná, aquecido e alimentado.




DYLAN THOMAS


sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Jan Saudek

Os homens que possuem algum estigma vicioso por natureza,

ficam marcados pela presença deste único defeito -

por mais puras e inúmeras que sejam sua outras virtudes.

Uma partícula infinita de impureza corrompe

a substância mais nobre.



WILLIAM SHAKESPEARE

Adam Burton

Contrastando com a ceoncepção mecanicista, a visão

do mundo oriental é de natureza orgânica.

Nossa tendência em dividir o mundo percebido em objetos

individuais e em nos perceber como "egos" isolados neste mundo,

constitui uma ilusão gerada por nossa mentalidade apegada

às medidas e às categorias.

Quando penetramos no seio da matéria, a natureza não nos


fornece o espetáculo de tijolos elementares isolados,

mas se apresenta como um tecido de relações entre

as diversas partes de um todo unificado.


FRITJOF CAPRA

Jack Vettriano

Quando mais nada resistir que valha

A pena de viver e a dor de amar

E quando nada mais interessar

(Nem o torpor do sono que se espalha)



Quando pelo desuso da navalha

A barba livremente caminhar

E até Deus em silêncio se afastar

Deixando-te sozinho na batalha



A arquitetar na sombra a despedida

Deste mundo que te foi contraditório

Lembra-te que afinal te resta a vida


Com tudo que é insolvente e provisório

E de que ainda tens uma saída

Entrar no acaso e amar o transitório.


Carlos Pena Filho

terça-feira, 21 de setembro de 2010

H. Koppdelaney

O que é necessário não é a vontade de acreditar,

mas o desejo de descobrir, que é justamente o oposto.



BERTRAND RUSSELL
Morte, não te orgulhes, embora alguns te provem
Poderosa, temível, pois não és assim,
Pobre morte: não poderás matar-me a mim,
E os que presumes que derrubaste, não morrem.
Se tuas imagens, sono e repouso, nos podem
Dar prazer, quem sabe mais nos darás? Enfim,
Descansar corpos, liberar almas, é ruim?
Por isso, cedo os melhores homens te escolhem.
És escrava do fado, de reis, do suicida;
Com guerras, veneno, doença hás de conviver;
Ópios e mágicas também têm teu poder
De fazer dormir. E te inflas envaidecida?
Após curto sono, acorda eterno o que jaz,
E a morte já não é; morte, tu morrerás.



JOHN DONNE




Mandei a palavra rimar,
ela não me obedeceu.
Falou em mar, em céu, em rosa,
em grego, em silêncio, em prosa.
Parecia fora de si,
a sílaba silenciosa.

Mandei a frase sonhar,
e ela se foi num labirinto.
Fazer poesia, eu sinto, apenas isso.
Dar ordens a um exército,
para conquistar um império extinto.

PAULO LEMINSKI


sábado, 18 de setembro de 2010

H. Koppdelaney

Trabalhe mais pela eliminação das maldades concretas,

do que pela realização do bem imaginário.




KARL POPPER

Nós vamos morrer, e isso nos torna afortunados.

A maioria das pessoas nunca vai morrer, porque nunca vai nascer.

As pessoas potenciais que poderiam estar no meu lugar, mas que jamais

verão a luz do dia, são mais numerosas que os grãos de areia da Arábia.

Certamente esses fantasmas não nascidos incluem poetas maiores

que Keats, cientistas maiores que Newton. Sabemos disso porque o

conjunto das pessoas possíveis permitidas pelo nosso DNA excede

em muito o conjunto de pessoas reais. Apesar dessas probabilidades

assombrosas, somos eu e você, com toda a nossa banalidade, que aqui estamos…

Richard Dawkins- Deus, um delírio

Goza o vôo do anjo perdido em ti.
Não indagues se nossas estradas,tempo e vento,desabam no abismo.
Que sabes tu do fim?
Se temes que teu mistério seja uma noite,enche-o de estrelas.
Conserva a ilusão de que teu vôo te leva sempre para o mais alto.
No deslumbramento da ascensão
se pressentires que amanhã estarás mudo
esgota,
como um pássaro,
as canções que tens na garganta.
Canta.
Canta para conservar a ilusão de festa e de vitória.
Talvez as canções adormeçam as feras
que esperam devorar o pássaro.
Desde que nasceste não és mais que um vôo no tempo.
Rumo ao céu?
Que importa a rota.
Voa e canta enquanto resistirem as asas.


Menotti del Picchia






quarta-feira, 15 de setembro de 2010

O que torna belo o deserto é que ele esconde
um poço em algum lugar.


SaintExupéry

Ferdinand Hodler

" Pela mulher, a idealidade entra na vida, e sem ela que seria do homem?

É numa relação negativa que a mulher torna o homem produtivo na

idealidade... relações positivas com a mulher tornam o homem

finito nas mais amplas proporções. Isso significa que a mulher

é necessária na medida em que permanece uma Ideia em que o homem

projeta sua própria transcendência; mas que é nefasta enquanto

realidade objetiva, existindo por si e limitada a si."




KIERKEGAARD

Theodore Wendel

...E não há melhor resposta
que o espetáculo da vida:
vê-la desfiar seu fio,
que também se chama vida,
ver a fábrica que ela mesma,
teimosamente, se fabrica,
vê-la brotar como há pouco
em nova vida explodida;
mesmo quando é assim pequena
a explosão, como a ocorrida;
mesmo quando é uma explosão
como a de há pouco, franzina;
mesmo quando é a explosão
de uma vida Severina.



João Cabral de Mello Neto

terça-feira, 14 de setembro de 2010

"Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura..."

GUIMARÃES ROSA

O espírito do homem é como um rio que procura o mar.

Represem-no e aumentarão

a sua força. Não responsabilizem o homem pelas suas

explosões devastadoras!

Condenem antes a força da vida!

O espírito que nos anima pode assumir as mais

diversas formas: tornar-nos semelhantes a anjos,


a demónios ou a bestas.

A cada um a sua escolha. Nada barra o caminho

ao homem para além das

fantasmagorias dos seus medos.

O mundo é a nossa casa, mas teremos ainda

que a ocupar; a mulher que amamos está à nossa espera,

mas não sabemos onde

encontrá-la; o atalho que buscamos está sob os nossos pés,

mas não o

reconhecemos. Quer sejamos deste mundo por

muito ou pouco tempo, os poderes

por explorar são ilimitados.




HENRY MILLER

John Sloan

OS CANTOS DO CREPÚSCULO


Desde que eu meu lábio levei ao copo plenamente cheio ,
Desde que eu minhas mãos coloquei em minha fronte pálida,
Desde que eu respirei às vezes o sopro suave
De tua alma , perfume de tua sombra enterrada,
Desde que me era dado ouvir um ao outro me chamar
As palavras que se derramam no coração misterioso,
Desde que eu vi chorar , desde que eu vi sorrir
Sua boca em minha boca e seus olhos em meus olhos;
Desde que eu vi brilhar em minha cabeça encantada
Um raio de tua estrela, ai! sempre escondida ,
Desde que eu vi desabar nas ondas de minha vida
Uma folha de rosa arrancou os teus dias,
Eu me coloco agora a contar os rápidos anos :
- Passam! Passam sempre! Eu não tenho mais a idade !
Vou partir para que tuas flores desbotem todas;
Eu tenho na alma uma flor que ninguém pode colher!
Suas asas batendo não farão que nada se derrame
Do vaso d’água que bebo e que eu bem enchi
Minha alma não tem mais fogo do que vós possuis em cinzas!
Meu coração não tem mais amor do que vós possuis esquecimento!

VITOR HUGO


domingo, 12 de setembro de 2010

A ciência nos faz deuses antes de sermos merecedores

de sermos homens.




JEAN ROSTAND

Didier Lannoy

A integração da ciência e do misticismo é possível, contrariamente

ao que é afirmado. Ambos devem ser buscados em comum.

Ao longo de boa parte de sua história, a ciência parece ter

sido guiada pela máxima: "Deus está no pormenor", o misticismo

pela afirmação "Deus é o círculo cujo centro está em toda parte

e cuja circunferência não está em lugar algum".

Hoje, a ciência busca os limites da natureza, o misticismo, sua

infinitude; uma, a gota do oceano, o outro, a onda.

A ciência quer explicar, o mistério do ser, o misticismo quer

experimentá-lo.




KEN WILBER





Toda paisagem tem um ar de sonho.
Vejo o tempo parado, inutilmente.
Tudo é menos real do que suponho.

Interrompi teu sonho, natureza.
Diante de um ser humano, de repente
Apareces tomada de surpresa.

No espaço que me cerca estou suspenso.
Em redor um olhar pasmado e mudo
E no ar a ameaça do silêncio denso.

Em todo sonho existe um extasiado
Olhar adormecido que vê tudo…
Senhor, eu sou o objeto contemplado

Dante Milano


sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Max Ernst

" Nunca se dispõe ao mesmo tempo, das cartas e das regras do jogo."



Jean Baudrillard
O inferno é um pantanal onde se pode encontrar

cidades que parecem destruídas pelo fogo, porém

os condenados se sentem à vontade ali.

São felizes a sua maneira, ou seja, estão cheios

de ódio, e esse império não tem soberano, seus

habitantes estão continuamente conspirando uns

com os outros.

Esse é o mundo dos complôs, da política sórdida.

Isso é o inferno.


JORGE LUIS BORGES
Uma família, como explicar?
Pessoas, animais, objetos,
Modo de dobrar o linho,
Gosto deusar este raio de sol
E não aquele,
Certo copo e não outro,
A coleção de retratos,
Também alguns livros, cartas,
Costumes, jeito de olhar,
Feitio de cabeça, antipatias e
Inclinações infalíveis:
Uma família.
DRUMMOND

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

H. Koppdelaney

Na adversidade, desejo a felicidade; na felicidade,
temo a adversidade.
Entre essas situações extremas, existe um ponto de equilíbrio
em que a existência não seja uma tentação?

Santo Agostinho - Confissões.

A vida divide-se em três períodos: o que foi, o que é,
e o que há de ser. Destes o que vivemos é breve,
o que havemos de viver, duvidoso; o que já vivemos certo...

O tempo presente é brevíssimo, tanto que a alguns parece
não existir, pois está sempre em movimento; frui e
precipita-se; deixa de ser antes de vir a ser; é tão incapaz
de deter-se, quanto o mundo ou as estrelas, cujo
infatigável movimento não lês permite permanecer
no mesmo lugar...


Sêneca - Sobre a Brevidade da Vida


Robinson Wendel

A abelha que, voando, freme sobre

A colorida flor, e pousa, quase

Sem diferença dela

À vista que não olha,

Não mudou desde Cecrops.

Só quem vive

Uma vida com ser que se conhece

Envelhece, distinto

Da espécie de que vive.

Ela é a mesma que outra que não ela.

Só nós — ó tempo, ó alma, ó vida, ó morte! —

Mortalmente compramos

Ter mais vida que a vida.



RICARDO REIS









sábado, 4 de setembro de 2010

H. Koppdelaney

Do mesmo modo que no mundo há coisas nas quais no

homem não há resposta, também no homem há muitas

partes nas quais não há representação no mundo.


SHAKESPEARE

A poesia é conhecimento, salvação, poder, abandono.
Operação capaz de transformar o mundo, a atividade poética é
revolucionária por natureza; exercício espiritual é um método de
libertação interior. A poesia revela este mundo; cria outro.
Pão dos eleitos; alimento maldito. Isola; une. Convite à viagem;
regresso à terra natal. Inspiração, respiração, exercício muscular.
Súplica ao vazio, diálogo com a ausência, é alimentada pelo tédio,
pela angústia e pelo desespero. Oração, litania, epifania, presença.
Exorcismo, conjuro, magia. Sublimação, compensação, condensação
do inconsciente. Expressão histórica de raças, nações, classes.
Nega a história: em seu seio resolvem-se todos os conflitos e o
homem adquire, afinal, a consciência de ser algo de passagem.
Experiência, sentimento, emoção, intuição, pensamento não-dirigido.
Filha do acaso; fruto do cálculo. Arte de falar em forma superior;
linguagem primitiva. Obediência às regras; criação de outras.
Imitação dos antigos, cópia do real, cópia de uma cópia da odéia.
Loucura, êxtase, logos. regresso à infância, coito, nostalgia do
paraíso, do inferno, do limbo. Jogo, trabalho atividade ascética.
Confissão. Experiência inata. Visão, música, símbolo.
Analogia: o poema é um caracol onde ressoa a música do mundo,
e métricas e rimas são apenas correspondências, ecos, da
harmonia universal. Ensinamento, moral, exemplo, revelação,
dança, diálogo, monólogo. Voz do povo, língua dos escolhidos,
palavra do solitário. Pura e impura, sagrada e maldita, popular e
minoritária, coletiva e pessoal, nua e vestida, falada, pintada,
escrita, ostenta todas as faces, embora exista quem afirme que
não tem nenhuma: o poema é uma máscara que oculta o vazio,
bela prova da supérflua grandeza de toda obra humana!



OCTAVIO PAZ







Almatadema

Foi para ti
que desfolhei a chuva
para ti soltei o perfume da terra
toquei no nada
e para ti foi tudo

Para ti criei todas as palavras
e todas me faltaram
no minuto em que talhei
o sabor do sempre

Para ti dei voz
às minhas mãos
abri os gomos do tempo
assaltei o mundo
e pensei que tudo estava em nós
nesse doce engano
de tudo sermos donos
sem nada termos
simplesmente porque era de noite
e não dormíamos
eu descia em teu peito
para me procurar
e antes que a escuridão
nos cingisse a cintura
ficávamos nos olhos
vivendo de um só
amando de uma só vida.




Mia Couto, in "Raiz de Orvalho e Outros Poemas"

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Quase todos desconhecem sua exata liberdade

e sua verdadeira servidão.

MARGUERITE YOURCENAR

Henry Fuseli

(...) Escreveu Dostoievsky: «Se Deus não existisse, tudo seria permitido.»

É esse o ponto de partida do existencialismo. Com efeito, tudo é permitido

se Deus não existe, e, por conseguinte, o homem encontra-se abandonado,

porque não encontra em si, nem fora de si, a que agarrar-se.

Ao começo não tem desculpa. Se, na verdade, a existência precede a

essência, não é possível explicação por referência a uma natureza humana

dada e hirta; dito de outro modo, não há determinismo, o homem é livre,

o homem é liberdade. Se, por outro lado, Deus não existe, não encontramos

em face de nós valores ou ordens que legitimem a nossa conduta.

Assim, não temos nem por detrás de nós nem à nossa frente, no domínio

luminoso dos valores, justificação ou desculpas. Estamos sozinhos, sem

desculpa. É o que exprimirei dizendo que o homem está condenado a ser livre.

Se suprimi Deus Pai, cumpre que alguém invente os valores.

Temos de tomar as coisas como elas são. Aliás, dizer que inventamos os

valores não significa senão isto: a vida não tem sentido a priori. Antes de

vivermos, a vida é coisa nenhuma, mas é a nós que compete dar-lhe

um sentido, e o valor não é outra coisa senão o sentido

que tivermos escolhido.



Jean-Paul Sartre - O Existencialismo é um Humanismo






H. Koppdelaney

LA VIDA ES SUEÑO



Los ojos andan de día en día
Las princesas posan de rama en rama
Como la sangre de los enanos
Que cae igual que todas sobre las hojas
Cuando llega su hora de noche en noche.

Las hojas muertas quieren hablar

Son gemelas de voz dolorida
Son la sangre de las princesas
Y los ojos de rama en rama
Que caen igual que los astros viejos
Con las alas rotas como corbatas

La sangre cae de rama en rama

De ojo en ojo y de voz en voz
La sangre cae como corbatas
No puede huir saltando como los enanos
Cuando las princesas pasan
Hacia sus astros doloridos.

Como las alas de las hojas

Como los ojos de las olas
Como las hojas de los ojos
Como las olas de las alas.

Las horas caen de minuto en minuto

Como la sangre
Que quiere hablar.

VICENTE HUIDOBRO

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Damian Elwes

" Não basta querer para ter. Sem contar que é muitas
vezes por ter querido que não se terá.
Enquanto não se sabe o que se quer, não há mal
algum em não o obter. Além disso, esta solução
preserva a possibilidade de obter alguma coisa
sem tê-la querido, que é a hipótese mais charmosa."



Jean Baudrillard

Irargerich

Existe em todos nós um potencial para a sensibilidade,
e mesmo que não possamos ser todos poetas, nos
tornamos poetas quando lemos um poema bem, porque
o sentimento já está dentro de nós e só é despertado
pelas palavras, que pairam flutuantes sobre a nossa
sensibilidade. " A poesia é uma espécie de música
insondável que nos leva à borda do infinito"; ela nos
deixa por momentos em estado de encantamento.
Os gregos, nas sua fábulas, falavam das harmonias
das esferas; era o sentido dado por eles à perfeita
estrutura de todas as coisas: tudo tendo a alma de
uma perfeita música. O poeta talvez seja aquele ser
especial que consegue pensar profundamente e "ver
musicalmente" as coisas que pensa.


Lu- Yedra

H. Koppdelaney

Chega um momento
em que somos aves na noite,
pura plumagem, dormindo de pé,
com a cabeça encolhida.
O que tanto zelamos
na fileira dos dias,
o que tanto brigamos
para guardar, de repente
não presta mais: jornais, retratos,
poemas, posteridade.
Minha bagagem
é a roupa do corpo.
Fabrício Carpinejar